Luis Mauro Albuquerque; O Secretário que organizou o sistema penitenciário do RN


Luís Mauro Albuquerque, agente policial de custódia do Distrito Federal, foi o responsável pela mudança drástica no Sistema Penitenciário do Rio Grande do Norte. Ele assumiu a Secretária de Justiça do RN quando o controle da maior unidade prisional do Estado estava nas mãos de facções criminosas em guerra. Presos ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital) invadiram, em meados de janeiro de 2017, o pavilhão 4 da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta (região metropolitana de Natal), para atacar rivais do Sindicato do Crime do RN. Vinte e seis pessoas morreram no massacre. Foi a segunda maior matança em presídios brasileiros no ano – a chacina de Manaus contabilizou 56 vítimas.

O secretário estadual de Justiça e Cidadania, Luís Mauro Albuquerque, conseguiu retomar o domínio da prisão, após reformá-la e fazer com que agentes penitenciários adotem “procedimentos rigorosos”, inspirados no sistema penitenciário federal. Ele diz ainda não separar os presos por facção, como era feito antes, e se arrisca a dizer que a chance de acontecer um novo massacre “é igual a zero”. “Eles [presos faccionados] têm a certeza de que vão conseguir voltar à situação que era antes. Eu posso afirmar que isso não vai acontecer porque se eu sair, a doutrina continua. Os agentes penitenciários estão sendo treinados. O Estado vai estar presente”, afirmou Albuquerque ao UOL, em entrevista realizada dentro da penitenciária.

O Rio Grande do Norte é um dos estados nordestinos cujo índice de homicídios disparou por causa da disputa entre o PCC e facções regionais aliadas ao Comando Vermelho. “Antes durante as visitas, familiares de presos eram estuprados nas celas, sob a desculpa de que era para pagar dívidas de drogas. Nada mais era do que um estupro. Existia prostituição aqui. Quando você deixa o crime trabalhar na cadeia, ele está ganhando dinheiro às custas e protegido pelo Estado. A gente reverteu todo esse quadro na penitenciária”, diz o secretário.

Chegando ao final da gestão do governador Robinson Faria resta agora saber como ficará o comando da Secretaria de Justiça do Rio Grande do Norte. Muitos defendem a continuidade do trabalho de Luís Mauro Albuquerque, que tem convites de vários Estados para assumir seus sistemas penitenciários. Cabe agora a Fátima Bezerra decidir continua com o que está dando certo ou se parte para um novo nome que assuma a pasta.

0 comentários: